Lucy Hale concede entrevista ao site SBJCT - LHBR
23.10

Acaba de ser divulgada uma nova entrevista da nossa Lucy Hale acompanhada de uma sessão de fotos incrível feita por Christian Høgstedt para o site SBJCT. Confira a entrevista traduzida abaixo:

Quer se tornar a melhor versão de você? Pegue essas dicas da inimitável Lucy Hale, uma força de luz e amor a ser reconhecido. Conversei com a Lucy sobre atrelar nossas intenções para termos a vida que devemos ter, viver com paixão e aprender como queremos contar nossas próprias histórias. Fiquei tão encantada por essa mulher mágica e tenho certeza que você também ficará. Leia mais abaixo…

Erin Walsh: Obrigada por tirar um tempo para se tornar VERMELHA para nossa sessão de fotos. Estou tão animada de conversar com você sobre o que te faz funcionar e porque. Vamos começar pelo começo. Como você acabou em Los Angeles e começou no showbiz?
Lucy Hale: Primeiro de tudo, eu me diverti demais nessa sessão de fotos. Foi minha primeira sessão desde o Covid e eu estava tão grata de trabalhar com gente tão maravilhosa. Sempre tive uma imaginação doida quando era criança e passava muito tempo sozinha e brincando de fingir. Isso descreve várias crianças, mas eu me sentia diferente quando era mais nova. Sempre tive essa sensação que minha vida seria diferente da dos outros. Eu vivia dentro da minha cabeça a maior parte do tempo. Então eu descobri o amor pela música o que me levou a atuação. Eu descobri o que era a pilot season e convenci minha mãe a me levar para Los Angeles. Só íamos ficar por alguns meses, mas 16 anos depois e ainda estou aqui! Vem sendo uma loucura.

EW: Eu sempre acho que atores que começaram quando crianças têm uma perspectiva insanamente aguda de todas as partes em movimento, tanto o lado empresarial quanto o criativo. Então como você acha que a sua experiência de ter começado tão nova te impactou e onde você está agora?
LH: Eu definitivamente cresci rápido e estava constantemente rodeada de adultos. Trabalhando todo o dia muito jovem e me sustentando definitivamente mudou a maneira que eu via o mundo. Tem momentos agora onde eu queria poder ter sido uma criança por mais tempo mas no final eu não teria mudado nada. Tive que ser profissional desde os meus 15 anos e isso me ensinou muito sobre trabalho duro. E isso sempre esteve dentro de mim. Sem essa paixão, eu não sei se estaria onde estou hoje. Lidar com tanta rejeição provavelmente foi a parte mais difícil, mas isso me abasteceu para me levar onde estou hoje.

EW: Algum mentor em particular ou momentos no começo que você achou que foram essenciais?
LH: Eu tive a oportunidade de trabalhar com pessoas incríveis na minha carreira. Eu fiz uma série chamada “Privileged” há uns 12 anos atrás e trabalhei com Joanna Garcia. Nunca vou esquecer o quão maravilhosa ela foi com todo mundo. Ela tratou todos com respeito e bondade e trabalhou tão duro. Isso deixou uma impressão em mim porque eu queria ser esse tipo de pessoa. Também fiz uma série há alguns anos atrás e uma pessoa foi o OPOSTO do que eu queria ser. Acho que é bom ver os dois lados da moeda. Cada situação pode ser uma experiência de aprendizado e eu sempre tento manter isso na minha cabeça.

EW: O que você considera sua maior força como uma pessoa de negócios?
LH: Definitivamente eu tenho muita paixão. Se eu faço algo, eu faço 110%. Não há área cinza para mim e isso pode definitivamente ser uma das minhas maiores forças. Também tenho uma mente muito aberta. Acho que é super importante poder escutar sem responder emocionalmente e ver de verdade todos os lados das coisas.

EW: Em seu processo de atuação, pode nos contar sobre como você encontra um personagem, emocionalmente, fisicamente e a preparação que isso leva? Como isso varia de papel para papel?
LH: Para mim, eu normalmente acho partes de mim em todos os personagens que interpreto. Eu tiro experiências parecidas e sentimentos. Entretanto, agora eu estou interpretando partes que são tão diferentes de mim e vem sendo um desafio divertido. Às vezes eu mudo meu estilo mudando meu cabelo, mas eu mal posso esperar para fazer um papel onde eu possa mudar drasticamente. Às vezes eu preciso aprender uma nova habilidade. Como no momento, estou na Espanha e tive que aprender sobre botânica para um projeto. Entretanto, a maioria do trabalho é feito na minha cabeça. Apenas sentar e ver pelo que minha personagem está passando e deixar isso entrar por completo. Cada papel é diferente para mim e então os processos mudam a cada vez dependendo de com quem estou trabalhando. Eu acredito muito em instinto natural e confiar no seu instinto quando se trata de tomar decisões sobre os personagens que eu interpreto.

EW: Qual papel você tem mais orgulho até agora?
LH: Essa é uma pergunta difícil porque eu sou minha maior crítica! Eu tenho orgulho de tudo que eu fiz sendo grande ou pequeno, mas acho que Katy Keene foi a época mais divertida que já tive. Foi uma série especial e um momento importante da minha vida.

EW: Você pensa em termos de planos de 5 e 10 anos na vida, ou é mais incidental do que isso?
LH: Eu definitivamente defino objetivos para mim mesma que eu gostaria de atingir mas eu já tive que deixar pra trás alguns deles porque eram só pra me deixar desapontada se você não marca todas as caixinhas. Acredito que nada na vida é um acidente. Acredito que tudo tem um propósito e você está sempre exatamente onde deve estar, mesmo que você não perceba às vezes. Alguns dos momentos mais difíceis da minha vida me moldaram para o que eu sou hoje. Olhando pra trás, eu nunca pensei que esses momentos complicados seriam alguns dos meus maiores presentes.

EW: Você tem um público gigante há vários anos agora – quais são suas maneiras favoritas de conversar com seu público?
LH: Eu estou num momento que só falo sobre tópicos que significam algo pra mim. Eu também me recuso a ficar quieta sobre as coisas que eu acredito mesmo que acabe perdendo apoiadores. Eu tento compartilhar meus pontos de vista de uma maneira não forçando, mas encorajando. Eu sempre tento manter real e autêntico. Eu estou sempre encontrando minha voz de uma maneira que vem sendo divertido pegar um pouco desse poder de volta.

EW: Você já teve experiências de achar difícil navegar a ideia de ser um exemplo porque você está sob os holofotes?
LH: Estou constantemente lutando com isso porque as pessoas tem uma ideia de quem eles acham que você é ou querem que você seja. Sempre tenho medo de desapontar as pessoas, mas também tenho que honrar a pessoa que sou e minha jornada. Já cometi erros e tive dificuldades, e várias pessoas não sabem disso. Acho que tem uma grande percepção errada sobre as pessoas públicas que a vida é arco-íris e glitter. Eu sou muito afortunada e grata por tudo em minha vida, mas houveram momentos bem complicados. Acho que um dia eu vou falar sobre esse lado de mim porque se eu puder fazer alguém se sentir menos sozinho, então eu fiz algo certo.

EW: Alguma causa ou instituição de caridade que você gostaria de redirecionar nossos leitores?
LH: Recentemente comecei a trabalhar com a Child Rescue Coalition. Eles criam tecnologias para dar a polícia maneiras de prender pedófilos. Eu também já trabalhei com o Smile Train e St. Jude. São tantas organizações maravilhosas lá fora e é só encontrar alguma que você de identifique.

EW: Eu amo que através do SBJCT nossos leitores podem descobrir como ser parte da mudança que querem ver no mundo. Tem algumas coisas que você está trabalhando? Que nossos leitores possam seguir seu caminho?
LH: Acho que é importante lembrar que você não tem que fazer TUDO. Meu conselho seria encontrar um tópico que você realmente ama e fique nele porque vai parecer genuíno pra você. E também, nunca pare de aprender e ver diferentes pontos de vista.

EW: Quais são seus pensamentos sobre o destino em geral? E nosso próprio papel na manifestação de nossos caminhos?
Lucy: Acredito que criamos a vida que queremos. Nossos pensamentos são TÃO poderosos e ter uma mentalidade positiva é tudo. Eu acredito no destino e que cada pessoa que você encontra e experimenta tem um propósito maior. Eu sou muito específica sobre as coisas que quero na minha vida e é louco como tantas dessas manifestações se concretizaram.

EW: Quero falar sobre como lidar com as cartas que recebemos. Este tem sido um ano estranho para todos nós, cheio de transições. Seu lindo show Katy Keene não foi escolhido para uma segunda temporada. Você tem um processo para lidar, digamos, com notícias inesperadas? E o que você faz para superar os tempos difíceis?
Lucy: Tem sido uma época muito difícil e desafiadora para o mundo inteiro. Acho que podemos dizer que foi um ano muito difícil. Obviamente, todos nós lidamos com isso de maneiras e níveis diferentes.

Infelizmente, tive que lidar com muitas rejeições e notícias decepcionantes na carreira que escolhi. Existem coisas boas, mas definitivamente é um forte equilíbrio entre os dois. Felizmente, posso passar por momentos difíceis e transformar isso em força. Tento aprender algo com cada resultado ruim. Para superar os tempos difíceis, conto com minha família, amigos e o meu cachorrinho Elvis. Eu também sou uma pessoa muito espiritual e a oração/ pensamento positivo honestamente me ajudou muito. Você tem que ser seu melhor amigo e aprender a me amar, apesar das coisas de que não gosto, também me ajudou a seguir em frente.

EW: Falamos um pouco sobre intuição e aprender a confiar em si mesmo e que muitos de nós temos a capacidade de responder às nossas próprias perguntas. Você pode me contar um pouco sobre sua própria jornada em ter mais contato consigo mesma e com nosso mundo?
Lucy: Acho que todos nós temos uma intuição inerentemente forte. Algumas pessoas estão mais em sintonia, mas acredito que todos podem voltar ao seu eu mais verdadeiro e superior. É preciso trabalho e dedicação, mas vale a pena. No ano passado, estive em uma jornada espiritual e gosto de pensar que vi um grande crescimento. O caminho de cada pessoa é diferente e não existe um caminho certo ou errado… Trata-se de encontrar o que funciona para você.

EW: Alguma prática útil que você sugeriria aos nossos leitores para melhor se conectar com nosso eu interno e também com o mundo externo? Estou lhe fazendo perguntas inebriantes, mas acho que você aguenta!
Lucy: Meditação, diário de gratidão, afirmações positivas, estar na natureza, reiki, exercícios, terapia, se certificar que seu círculo de amigos o ilumine…

EW: O que te traz esperança atualmente?
Lucy: A próxima geração tem muita paixão e quer ver mudanças. Mulheres recuperando seu poder. Sinto que muitas injustiças estão vindo à tona e isso me dá esperança de um futuro melhor.

EW: O que você está planejando? Onde podemos esperar vê-lo em seguida?
Lucy: Atualmente estou na Espanha filmando um filme chamado Borrego. Então irei para Nova York para filmar um filme chamado The Hating Game. Ambos serão lançados no ano que vem junto com um filme que fiz no ano passado chamado Big Gold Brick.

EW: Rotina de preparação física favorita?
Lucy: Hot Pilates. Recentemente, fiquei obcecada.

EW: Dicas de meditação (se tiver)?
Lucy: Comece pequeno e tente não se julgar. A meditação é muito difícil pra mim, mas fica mais fácil. Comece com 2 minutos, depois 5 e aumente semanalmente.

EW: O que devo ler?
Lucy: Where the Crawdads Sing de Delia Owens e The Four Agreements de Don Miguel Ruiz.

EW: Podcasts que você sugeriria?
Lucy: É muito escuro e perturbador, mas Sword and Scale são tão divertidas. São todos episódios reais relacionados a crimes.

EW: Uma rotina para depois do trabalho?
Lucy: Reprise de New Girl ou Schitt’s Creek.

EW: Onde você se sente mais seguro?
Lucy: Em uma trilha de caminhada perto da minha casa. Me sinto mais feliz lá e mais parecida comigo mesma. Em qualquer lugar da natureza, na verdade.

EW: Comida?
Lucy: Batatas fritas e molho ranch.

EW: Melhor qualidade em um parceiro?
Lucy: Comunicação aberta e honesta. A capacidade de estar emocionalmente presente e um coração compreensivo.

EW: Melhor qualidade em um amigo?
Lucy: Minha melhor amiga Annie é como meu apoio emocional. Ela me mantém completamente calma e essa é minha qualidade favorita nela. Eu sou uma pessoa super emocional e pode ser uma montanha-russa, então alguém que tem equilíbrio é importante para mim.

EW: Parte favorita de ser atriz?
Lucy: Conseguir me expressar por meio de personagens. Muitas vezes é difícil para mim descrever como estou me sentindo, mas posso me expressar facilmente por meio do meu trabalho.

EW: Lucy Hale, qual é o seu SBJCT? O que realmente te move e te motiva?
Lucy: Quero deixar uma boa história. Não é uma história perfeita e nem sempre há finais felizes, mas uma que é real. Eu quero inspirar as pessoas. Minha carreira me motiva. Estou sempre aprendendo e crescendo. Eu me sinto muito abençoada por estar cercada de pessoas interessantes e criativas o tempo todo. Sou grata por morar em uma cidade que aceita e ama diferentes tipos de pessoas. Todo o meu objetivo na vida é ser o meu eu mais autêntico e é definitivamente uma jornada, mas é divertida.

Fonte: SBJCT

Confira as fotos do photoshoot em nossa galeria clicando nas miniaturas abaixo:

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS – PHOTOSHOOTS > 2020 > SBJCT

sbjct1020-002.jpg sbjct1020-009.jpg sbjct1020-007.jpg

O Lucy Hale Brasil é um site feito por fãs que não é afiliado e/ou mantém contato de alguma forma com Lucy, amigos, agentes ou alguém relacionado à seus projetos. Esse site foi feito apenas para postar notícias para pessoas que como nós, admira seu trabalho e seu jeito. O LHBR não tem nenhuma intenção de lucro. Caso pegue alguma tradução ou notícia exclusiva e reproduza em seu site, nos dê os devidos créditos.

Layout criado e desenvolvido por Lannie D
Todos os direitos reservados ao Lucy Hale Brasil • Hosted by Flaunt
parceiros