Lucy Hale é a nova embaixadora da farmacêutica Bayer, e ela está fazendo campanha para o uso do IUD, mais conhecido como DIU no Brasil. Confira a entrevista para a Bustle traduzida abaixo:

Antes da adolescência a atriz Lucy Hale já entendia sobre métodos contraceptivos. Desde quando a mãe da estrela de Pretty Little Liars trabalhava como enfermeira de parto, Hale perguntava sobre os benefícios de diferentes opções de métodos anticoncepcionais. Porém muitas pessoas não se sentem confortáveis para conversar abertamente sobre o assunto com amigos, membros da família ou profissionais de saúde. “É assustador fazer essas perguntas,” Hale conta a Bustle, e adiciona, “pode ser constrangedor”. Hale agora é parceira da companhia farmacêutica Bayer para aumentar a conscientização sobre o DIU com a campanha #WhyIUD, que disponibiliza informações através de um médico ginecologista sobre os riscos e benefícios de Kyleena e outros tipos de DIU. A campanha foca em Hale, que está usando DIU há mais ou menos um ano, e sua jornada para trocar a pílula anticoncepcional pelo DIU Kyleena. Hale conta que tentou diversas pílulas anticoncepcionais durante os anos mas ano passado, decidiu que era hora de mudar.

“Para mim, lembrar de tomar a pílula estava se tornando uma obrigação,” ela conta. Com sua agenda atrapalhando tomar a pílula constantemente, Hale consultou seu médico sobre diferentes opções. Ela explicou que não está preparada para engravidar no futuro próximo e que queria poder focar na sua carreira sem ter que lembrar de tomar a pílula todos os dias. Hale escolheu o DIU Kyleena, um plástico em formato de T inserido no útero que previne gravidez, com a recomendação do seu médico.

Mas Hale conta que tinha apreensões sobre o DIU antes do seu ginecologista colocar. Minha maior preocupação era “Vai doer? Consigo sentir? Minha menstruação vai ficar mais fraca?”. Ela também se preocupou com o procedimento, achando que seria um processo longo e doloroso. Todo mundo tem uma experiência diferente mas Hale diz que seu procedimento foi rápido e fácil. Agora ela está com o tipo de método anticoncepcional mais efetivo (fora abstinência) por mais de um ano.

Dr. Yesmean Wahdan, Diretora médica da Bayer e ginecologista, conta a Bustle que as frustrações de Hale com a pílula e hesitações com o DIU são comuns em muitas pessoas com útero que exploram diferentes tipos de pílulas. Todos nós que tomamos pílulas podemos nos lembrar de muitas vezes que esquecemos de colocar o pacote na bolsa antes de sair de casa ou esquecemos de tomar no mesmo horário todos os dias. Muitas pessoas com essas frustrações nem conheciam o DIU. No questionário Bayer’s Millennial Women’s Health, no qual 1.000 mulheres entre as idades 18 e 35 foram entrevistadas sobre seu conhecimento sobre DIU e outros métodos contraceptivos, apenas 28% tinham informações sobre o DIU. “Isso me ajudou a entender que as pessoas precisam de informação sobre suas opções para um período mais longo,” conta Wahdan.

Existem dois tipos de DIU – cobre e hormonal. O DIU de cobre não contém hormônios, em vez disso conta com aversão de células espermáticas no cobre para prevenir gravidez em até 12 anos. DIU hormonal, como Kyleena, engrossam o muco no colo do do útero para bloquear e prender o espermatozoide e às vezes para a ovulação. Dependendo da marca o DIU hormonal dura de 3 até 7 anos. “O DIU estava no topo da minha lista,” Hale conta sobre sua decisão de usar o Kyleena. “Tem poucos hormônios, o que é importante para mim. É pequeno, não consigo sentir, foi uma decisão fácil para mim.”

Ao participar dessa campanha e compartilhar informações médicas sobre o DIU Hale espera desafiar a estigma da discussão sobre anticoncepcionais. “Estou abrindo esta porta para mulheres jovens começarem a conversa por que é o que queremos fazer, fazer com que a informação certa esteja disponível,” diz Hale.
O primeiro passo de escolher um método é achar a coragem de fazer as perguntas e descobrir o que mais faz sentido para o seu corpo e estilo de vida. Compartilhando sua história, Hale quer encorajar as pessoas a conversarem com seus médicos. “A única coisa que temos é nosso corpo,” Hale diz. “E eu acho que nos educar sobre nossas opções é a coisa mais importante que podemos fazer.”

Fonte: Bustle