05
mar 18

Lucy concedeu uma entrevista ao New York Post onde fala sobre a diferença de Life Sentence de todos os anos que ficou em Pretty Little Liars e porque decidiu pegar o papel. Confira traduzido:

O papel de sucesso de Lucy Hale em “Pretty Little Liars” consumiu grande parte dos seus 30 anos – e é por isso que ela queria que sua próxima série fosse muito diferente.

“Quando você é parte de algo por tanto tempo, acho que as pessoas meio que te classificam,” diz Hale, 28 anos, que estrelou o drama da ABC Family/Freeform de 2010 a 2017. “Muitas das coisas que vinham ao meu encontro eram ótimas mas muito parecidas com PLL: Um mistério ou a morte de uma menina ou a menina fugindo. Depois de oito anos fazendo tudo isso, eu queria fazer algo completamente oposto.”

O oposto acabou sendo a dramédia da CW “Life Sentence”, que estreia nesta quarta. Conta a vida de Stella, uma paciente com câncer que vive cada dia como se fosse seu último. No primeiro episódio, Stella descobre que está curada – mas ela também descobre que, em um esforço de manter seus anos doente interessantes, sua família vinha guardando muitos segredos dela.

“Já vimos todos os filmes clichê sobre câncer, e normalmente já sabemos o final,” diz Hale. “E então os criadores [Erin Cardillo e Richard Keith] disseram, “E se pegarmos essa ideia e virar de cabeça para baixo? A menina não morre, mas precisa viver com as escolhas que fez enquanto vivia pensando que ia morrer.'”

A preparação de Hale para “Life Sentence” foi fácil por sua familiridade com o assunto; ela é fã do gênero de filmes que trata de câncer. “Eu amo esses filmes como ‘The Fault in our Stars’ e ‘Me and Earl and the Dying Girl’ e ‘Sweet November’, e um clássico com o Keanu Reever,” ela diz. “E eu cresci em Memphis, a casa do Hospital St. Jude. Eu já fui lá dezenas de vezes.”

Já que ela estava habiatuada com a maioria dos assuntos da série, Hale ficou em sua pesquisa das gírias médicas. Ela ficou surpresa de descobrir que a cura da Stella não é fictícia.

“Eu não percebi que viroterapia oncolítica era uma coisa real,” ela diz. “É muito rara, mas o que eles fazem é infectar o paciente de câncer com uma doença que normalmente é perigosa para os humanos. Mata as células de câncer mas deixa as células boas. Eu li vários artigos sobre isso. É maravilhoso.”

Hale diz que espera que “Life Sentence” atraia uma mistura de público entre os fãs de “Pretty Little Liars” e novos telespectadores.

“O que era tão maravilhoso sobre PLL é que a fanbase é tão apaixonada e apoiadora,” ela diz. “Então estou esperando muito desse público. Mas a série é sobre uma família disfuncional, então eu espero que atraia novos telespectadores.”

Hale já estava ligada a “Life Sentence” durante a temporada final de “Pretty Little Liars”, que foi ao ar em junho do ano passado.

“Eu me apaixonei instantaneamente,” ela diz. “Foi assustador dar esse mergulho [entrar em uma nova série], mas estou feliz que fiz isso. Vem sendo o maior desafio que já encarei – é o maior peso nos meus ombros e o mais ocupada que já estive.”

“Eu nunca trabalhei tão duro por algo antes.”

Fonte: New York Post

Lucy Hale Brasil • Layout por Lannie D