04
mar 22

Lucy Hale concedeu uma entrevista para a Byrdie onde contou um pouco mais dos seus rituais caseiros e quando ela viaja. Confira traduzido abaixo:

Lucy Hale é uma superfã de Alfred Coffee. Assim que ela entra no Zoom, posso ver a capa de papelão de cores vivas da rede de Los Angeles espreitando do canto de sua moldura. Quando eu aponto para ela, o rosto de Hale se ilumina: “Eles vão me escrever pequenas notas na minha xícara de café. Eles sabem que sou um cliente fiel, então eles vão escrever ‘Tenha um lindo dia!’ ou alguma coisa.”

Com sua disposição ensolarada, não é difícil imaginar a atriz fazendo amigos por onde passa. Na realidade, porém, Hale se considera mais uma criatura de conforto. “Quando estou em Los Angeles, não é incomum eu não ver as pessoas ou fazer algo por uma semana”, diz ela. Em um dia típico, você a encontrará descansando ao sol na varanda da frente ou se aconchegando com seus filhotes e um bom livro.

“Eu me sinto sortuda por ter um lugar que é como um santuário”, diz ela. É uma atitude razoável vinda de alguém tão acostumado a viajar para filmagens e filmagens de TV. Tem sido um ano agitado a esse respeito: ela morou em Londres por cinco meses enquanto filmava a série Ragdoll da AMC+, e apenas alguns meses atrás, ela passou seis semanas em Cape Cod para um filme.

Big Gold Brick – nos cinemas em 25 de fevereiro – é mais uma explosão do passado, pois é o último projeto que Hale filmou antes da pandemia. O filme segue a saga maluca e sombria do escritor Samuel Liston (Emory Cohen), de 20 e poucos anos, depois que o enigmático Floyd Deveraux (Andy Garcia) acidentalmente o atropela com seu carro. Em pouco tempo, Floyd contrata Samuel para escrever sua autobiografia e o muda para a casa de sua família. Samuel se apaixona pela filha de Floyd, a desonrada prodígio do violino Lily (Hale). É um passeio selvagem e caprichoso, mas, novamente, combina perfeitamente com Hale. “Eu adoro histórias, obviamente”, ela me diz em um ponto, não muito tempo depois de recitar uma extensa lista de livros favoritos. “Acho que escolhi a carreira certa.”

Vejo que seus cães estão ao seu lado. Quais são os nomes deles?

Este é Elvis, e esta é Ethel. A turma está toda aqui! Espero que meus cães fiquem quietos durante isso.

Há quanto tempo você tem Elvis e Ethel?

Eu peguei Elvis quando ele era um filhote. Ele era um presente, e eu imediatamente me conectei com ele. Eu amo essa criatura mais do que tudo no mundo. Ele tem quase seis anos agora. E então, junto com muitas outras pessoas, peguei um cachorrinho pandêmico. Ganhei a Ethel há pouco mais de um ano, também filhote, de um resgate. Demorei um pouco mais para me conectar com ela, mas agora estamos super ligadas também.

Eu sou originalmente de Memphis, e minha avó idolatrava Elvis Presley, e eu amo Elvis Presley também, então é daí que vem o nome dele. E então Ethel é de I Love Lucy, então a ajudante de Lucy era Ethel no show. Então Lucy, Elvis e Ethel – minha pequena família.

Eles se dão bem?

[Risos] Bem, originalmente peguei Ethel para Elvis porque pensei que me sentiria melhor em sair de casa quando viajasse. Eu tinha essa visão na minha cabeça deles serem melhores amigos. Não foi exatamente assim que aconteceu. Eles estão agora no ponto em que estão abraçados, e vão brincar de vez em quando. Mas por um ano inteiro, Elvis ficou tipo, ‘Ok, mãe, quando ela vai para casa?’ Acho que agora ele aceitou o fato de que ela veio para ficar. Tem sido um aquecimento lento, mas torna a vida interessante.

Então, o que você tem feito ultimamente?

Eu estava morando em Londres por cinco meses em 2021. Foi emocionante ser deixada em uma cidade e não conhecer ninguém ou ter nada para fazer. Recentemente terminei um filme em Cape Cod, que é tranquilo no inverno porque é uma cidade turística. Quando não estou trabalhando, minha vida é praticamente a mesma todos os dias. Passo tempo com os cães, faço caminhadas e bebo grandes quantidades de café. Tenho lido muito. É bom estar um pouco em casa, porque sinto que estive em todos os lugares, menos em casa, nos últimos dois anos.

O que você tem lido?

Taylor Jenkins-Reid escreveu Daisy Jones and The Six e Os Sete Maridos de Evelyn Hugo. Esses dois livros estão no meu top cinco livros favoritos de todos os tempos. Estou terminando [seu mais novo livro] Malibu Renasce agora. Eu amo qualquer livro que seja como um escapismo extremo, e sinto que Jenkins-Reid envolve você neste mundo. Li Daisy Jones em duas sentadas. Ela captura o mundo e os personagens de forma tão brilhante. Também gosto de Malibu Renasce. Também li livros de auto-ajuda como The Untethered Soul ou The Four Agreements. Acabei de receber um livro chamado “o corpo se lembra” — como se chama?

The Body Keeps the Score?

Sim, e mal posso esperar para lê-lo. Mas, eu sei que precisarei estar emocionalmente no lugar certo para lê-lo. Preciso ser estimulada mentalmente pelo livro, ou não vou terminar. Eu também sou daquelas pessoas que vão a uma livraria e compram 10 livros. Tenho tantos livros que não li em minha casa, então sou como uma colecionadora de livros. [Risos]

Isso é incrível. É como se você tivesse sua própria biblioteca particular.

É legal! Eu também amo Colleen Hoover. Comprei todos os sete livros dela na Amazon. É Assim Que Acaba é maravilhoso. Ouvi dizer que Verity é muito bom. Muitos de seus livros giram em torno de mulheres fortes, traumas, histórias de amor e triângulos amorosos. Estou neste aplicativo chamado Goodreads, onde você pode acompanhar o que leu e ler o que outras pessoas recomendam. Meu telefone está definitivamente me ouvindo porque meu feed no Instagram está cheio de pessoas que avaliam livros.

Como é o seu dia-a-dia quando não está trabalhando?

Desde que eu peguei Ethel, ela parece achar que é hora de acordar às 5h30 da manhã, então é isso que eu faço. Tentei ser diligente em treiná-la a fazer xixi no local correto porque não fui tão boa com Elvis e tive que sofrer as consequências mais tarde em sua vida. Então, eu coloquei Ethel em um sistema. Eu sou uma pessoa da manhã de qualquer maneira. Eu normalmente caminho de manhã e escrevo no meu diário de gratidão. Eu costumava tirar sarro das pessoas que escreviam pelo que eram gratas pela manhã, mas isso dá o tom do meu dia. Vou fazer uma pequena rotina de cuidados com a pele se tiver tempo. Não importa o que eu esteja fazendo naquele dia, sempre acordo uma hora mais cedo do que preciso para poder começar o dia devagar. Não posso começar caótico, ou sei que meu dia ficará progressivamente mais caótico.

Como é sua rotina de cuidados com a pele?

Eu poderia falar sobre cuidados com a pele o dia todo. Eu costumava ser uma pessoa que tinha uma rotina de cuidados com a pele de 30 passos, sem saber o que cada um dos produtos fazia ou em que ordem eu deveria colocá-los. Chocante, isso não funcionou para mim. Minha pele estava pior do que nunca porque tenho uma pele super sensível e propensa a espinhas. Agora, minha rotina é um pouco mais simples. Eu limpo levemente, tonifico, uso um serum de células-tronco e aplico um hidratante hialurônico durante o dia. Comecei usando o Vita-Antioxidant AVST Moisturizer 1 da Environ. E finalizo com protetor solar. Se tiver tempo, coloco uma das máscaras de hidrogel da 111Skin, máscara nos olhos e deixo marinar enquanto tomo meu café.

Nunca pensei em fazer uma máscara facial de manhã.

Se eu estiver exagerada pela manhã, usarei uma. Adoro aquele momento em que coloco meu roupão de pelúcia e uma máscara enquanto tomo meu café. À noite, eu sou toda sobre a limpeza dupla. Vou tonificar e aplicar retinol todas as noites da semana – estou na idade em que tenho que usar retinol. Em seguida, aplicarei meu soro de vitamina C da Skinceuticals e o gel Environ Vita. Após 20 minutos, coloco um creme de fusão a frio.

Você disse que a coisa mais importante para você quando viaja ou trabalha é se recalibrar com o ambiente. O que você faz quando está trabalhando ou na estrada?

Eu imediatamente pesquiso no Google tudo em torno de onde estou hospedada. Eu estou tipo, Ok, essa é a cafeteria que eu vou ler. Essa é a academia que eu vou malhar. Eu sou uma pré-planejadora. É uma bênção e uma maldição. Estou sempre 10 passos à frente, mas às vezes também perco o momento presente porque estou pensando em X, Y e Z. Sou muito caseira, então também é importante trazer coisas que me fazem sentir confortável. Se posso viajar com meus cães, meus cães vêm comigo. Levo minhas velas, produtos para a pele, lençóis, perfumes e cristais – todas as coisas que me fazem sentir um pouco mais em casa.

Que velas você leva na mala?

Meu perfume favorito é Le Labo Santal 26, então minha casa inteira cheira a Santal. Também trago Diptyque Baies – tem algo nostálgico. Não sei se minha avó tinha algo com aquele cheiro, mas me faz sentir como uma criança.

Eu não sei se você já esteve na House of Intuition—

Sim. Agora você está falando a minha língua.

Eu amo suas velas de intenção. Estou trabalhando na vela do “abridor de estrada” agora.

Eu amo eles também. Meu amigo acabou de me dar a roxa da cura. Eu ia para a Casa da Intuição outro dia – minha intuição, eu acho, estava me dizendo que eu preciso de um novo quartzo rosa.

Esse é o seu cristal favorito?

Eu amo quartzo rosa ou ametista – eu tenho uma grande ametista aqui. Mas a ideia por trás do quartzo rosa é sobre amor próprio e auto-aceitação, então eu diria que é o meu favorito no momento. Meu conhecimento é mínimo sobre cristais, mas tenho amigos que sabem muito mais do que eu. Eu tenho uma selenita, e aparentemente ela limpa seus outros cristais e os mantém carregados.

Eu nunca entendi os cristais. Sempre gostei mais de tarô e astrologia.

Incrível. Também gosto de tudo isso, o que é uma loucura porque cresci em um lar cristão. Não sou religiosa de forma alguma, mas sou muito espiritual. Minha jornada espiritual me pegou desprevenida porque li livros sobre reencarnação e tive minhas cartas lidas. Eu amo astrologia e quero saber mais sobre isso. Sou geminiana, mas descobri que minha lua é Escorpião e meu ascendente é Leão. Nós associamos mais com nosso signo solar, mas quando descobri que minha lua era Escorpião, eu fiquei tipo, ‘Sou eu!’ Sou muito emotiva e intensa.

Seu signo lunar é o seu eu interior.

Sim, esse é o meu eu interior! Também me identifico com Gêmeos. Todo mundo pensa que os geminianos são duas caras e loucos. E sim, nós somos, mas eu vejo os geminianos mais como pessoas que podem ver os dois lados da moeda.

Eu sou uma lua em Gêmeos, então eu concordo.

Você entendeu! Eu sinto que os geminianos são incompreendidos, então estou defendendo todos os geminianos. E então eu não sei o suficiente sobre leoninos, mas toda a coisa de escorpião ressoou comigo.

Leoninos adoram ser o centro das atenções, mas também é muito bom em focar sua atenção em outras pessoas. Se essa é a sua ascensão, isso tem a ver com a impressão que você deixa nas pessoas quando as conhece.

Não é à toa que me tornei atriz! [Risos] É tão interessante. Todas as diferentes combinações que podemos ter nos tornam quem somos.

Fonte: Byrdie

Salvo em: Entrevistas | Filmes
Lucy Hale Brasil • Layout por Lannie D